O que é o Método McKenzie?

O Método McKenzie é uma técnica de avaliação e de autotratamento da Fisioterapia Avançada e baseada em evidência, que oferece condições para você se tratar de maneira rápida, segura e eficaz, sem depender de medicação, calor, gelo, ultrassom ou cirurgias.

Esta abordagem é conhecida no mundo inteiro como Método Mckenzie de Diagnóstico e Terapia Mecânica (em inglês, Mechanical Diagnosis and Therapy MDT).

Como funciona o tratamento?

É realizada uma avaliação abrangente projetada para identificar rapidamente a origem do problema do paciente. O tratamento é dividido em três etapas:

1º) É realizada uma consulta-avaliação física;
2º) Programa de exercícios com o desenvolvimento do autotratamento;
3º) Orientação e prevenção de novas crises.

Qual a Filosofia do Método Mckenzie?

A filosofia básica do Método McKenzie é que a posição ou movimento inverso pode abolir a dor e restaurar a função. A maioria das dores músculoesqueléticas é de origem “mecânica”, ou seja, é provocada por uma posição ou um movimento aplicado nos músculos e articulações.

“A palavra chave do Método McKenzie é educação. De fato, toda a abordagem desse sistema de Diagnóstico e Terapia Mecânica é baseada na educação – educação sobre as causas, educação sobre exercício e postura e, é claro, educação sobre prevenção”. Robin McKenzie, em entrevista publicada no: The McKenzie Journal MIUSA, vol. 9 nº 3 , 2001

Por que o resultado é rápido, seguro e eficaz?

Por que determina um diagnóstico mecânico preciso;
Concilia as habilidades do paciente com a compreensão do seu problema;
Estimula o autotratamento;
Torna o paciente independente do terapeuta;
Previne de forma eficaz futuras crises de dor;
Reduz a dependência dos pacientes a medicamento como antiinflamatórios e analgésicos.

Por que o tratamento é considerado de baixo-custo?

Porque são necessárias poucas sessões para obter um resultado satisfatório, entre 5 a 8 sessões na maioria dos casos.

Quais as evidências científicas e a confiabilidade do Método Mckenzie?

Os Estudos e as publicações relatam comprovações relevantes sobre o Método McKenzie como na:

Battie MC, Cherkin DC, Dunn R, Clol MA, Wheller KJ.; Managing Low Back Pain : Attitudes and Treatment Preferences of Physical Therapists.
Phys Ther; 74:3, 219-226, 1994.

Uma pesquisa entre fisioterapeutas nos Estados Unidos que foram apresentados a pacientes hipotéticos com dor lombar. O Método McKenzie® foi considerado o método mais eficaz na abordagem de pacientes e o método de avaliação de pacientes mais usados.

Foster NE, Thompson KA, Baxter GD, Allen JM; Management of nonspecific low back pain by physiotherapists in Britain and Ireland. A descriptive questionnaire of current clinical practice. Spine;
Jul 1;24(13):1332-42, 1999.

O Método McKenzie® foi considerado a segunda abordagem de tratamento mais usada por fisioterapeutas na Grâ-Bretanha e Irlanda.

Segundo Dr.. Donelson, C. Aprill, R. A prospective Study of Centralization of Lumbar and referred Pain: A predictor of symptomatic discs and annular competence. IN: Spine 22 (10), 1997.

“O processo de avaliação McKenzie (…) foi superior â  ressonância magnética na distinção entre discos dolorosos e não-dolorosos”.

Quais os objetivos de tratamento?

Eliminar os sintomas de dor, formigamento, queimação, fisgada, dormência, Câimbras;
Recuperar completamente a função dos músculos e articulações;
Prevenir reincidências, dores que se repetem sempre.

Tratamento Método Mckenzie – Quem pode se beneficiar?

Todas as pessoas que passam por uma ou mais situações abaixo poderão se beneficiar com o Método Mckenzie.

– Todas aquelas pessoas que sofreram de uma crise de dor nas costas e que evitam determinados movimentos porque aparece a dor;

– Aquelas pessoas que sentem rigidez no corpo e dificuldade de levantar da cadeira após ficar sentada por muito tempo;

– Aquelas pessoas que sentem rigidez nos joelhos após ficar numa posição sentada por muito tempo;

– Aquelas pessoas que sentem dor, formigamento ou dormência no pescoço, ombros, braços e mãos;

– Aquelas pessoas que sentem dor persistente, por dias e anos na coluna lombar baixa, quadril, púbis e cóccix;

– Aquelas pessoas que sentem dor ao ficar por períodos prolongados sentadas dirigindo ou simplesmente numa cadeira ou sofá;

– Pessoas que sentem dores na coluna lombar baixa e irradiada para as pernas e pés;

– Aquelas pessoas que sentem dor no pescoço, e face após certo tempo sentada;

– Aquelas pessoas que sentem dor de cabeça, fundo dos olhos e face;

– Aquelas pessoas que sentem dores na ATM e tem bruxismo;

– Aquelas pessoas que após uma limpeza na casa ou apartamento sente dores na coluna, no pescoço e essa dor é persistente que precise tomar remédio ou não;

– Aquelas pessoas que fazem uso a um tempo de medicamentos antiinflamatórios e analgésicos;

– Dores contínuas nos períodos do dia, mesmo que seja por pouco tempo;

– Dores que aparecem após um tempo numa determinada posição em pé ou sentada, lendo um livro, no computador, ou realizando trabalhos em casa;

– Aquela dona de casa que deixou de fazer uma faxina, uma limpeza por não conseguir manter ou realizar um movimento específico, porque causa dor;

– Aquela pessoa que não consegue passar roupa, ficar na cozinha ou simplesmente agachar para pegar algo que as dores não deixam e incomodam;

– Aquela pessoa que já teve mais de uma crise de dor (dor forte) na coluna ou irradiada para os ombros, braços e mãos, ou para o quadril, pernas e pés.

– Aquela pessoa que deixou de praticar o esporte favorito por sentir dor quando realiza um movimento específico;

– Aquele atleta que deixou de correr ou simplesmente fazer a sua caminhada por sentir dores.

Quais as indicações de tratamento?

Dores da coluna e dores irradiadas para as pernas e pé ou/e braços e mãos;
Hérnias de Disco; Hérnia de disco extrusa, abaulamento discal, protrusão discal;
Ciática (Dor forte que irradia para a nádega, coxa e pena);
Artrose das articulações (osteoartrose);
Dor no quadril, dor sacral, dor no púbis e dor no cóccix;
Condromalácia no joelho;
Dores provocadas por desgaste articular no joelho;
Lesões musculoesqueléticas do esporte;
Distúrbios da ATM, bruxismo e dores faciais;
Dores articulares (lesão do menisco, cotovelos, ombros, etc.);
Lesões musculotendíneas. (tendinites, tendinoses, distensões, faceítes, etc);
Dor de cabeça, desequilíbrio e tonteira de origem cervical;
DORT (LER), Fibromialgia;
Dor na coluna que atinge as gestantes.

Quais os benefícios e vantagens do Método Mckenzie?

Assegura que o paciente receba um tratamento rápido, eficaz e de baixo custo;
Pode ser aplicado nos momentos de dor agudo, sub-agudo e crônico de um problema músculo-esquelético;
Adequado para uma ampla variedade de problemas mecânicos, tanto da coluna (discogênicos ou não-discogênicos), quanto das articulações periféricas;
Educa, estimula e capacita os pacientes a usarem suas habilidades de autotratamento para controlar e resolver os seus sintomas atuais e reduzir a reincidência e a gravidade de possíveis futuras crises;
Torna independentes os pacientes por ser um método de autotratamento;
Mostra aos pacientes que a maioria das pessoas que sofre de dor musculoesquelética e que se dispõe a obter o conhecimento adequado para o seu problema, pode se tratar com sucesso.